INÍCIO

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

A CRISE E O PACOTAÇO

14
A CRISE E O PACOTAÇO
A violenta queda nas bolsas, iniciada em Hong Kong, atingiu vários países, PROPORCIONALMENTE A VULNERABILIDADE DAS SUAS RESPECTIVAS ECONOMIAS. Alguns países nem balançaram, até mesmo na América Latina, como foi o caso do Chile.
Já entre nós, brasileiros, os efeitos têm sido devastadores para os que vão pagar essa conta.
Banqueiros de prestígio vinham alertando para a iminente derrocada do sistema financeiro mundial. Johannes Zahn, banqueiro, ex-primeiro diretor-executivo do Banco Mundial, observou que “os bancos centrais estão sob ditadura do mercado financeiro.” Já o Sr. Candessus, diretor geral do FMI declarou “que o mundo está a ponto de uma crise bancária devastadora.”
Ninguém em sã consciência é contra o real. O que se questiona é a forma como ele vem sendo administrado.
A opção do presidente FHC sempre foi no sentido de salvar os especuladores em detrimento da produção.
É verdade que agindo assim ele está, tão somente, seguindo as diretrizes traçadas pelas elites dominantes nacionais e estrangeiras. Afinal, para que promover o crescimento real das empresas, se podem ter lucros espetaculares investindo na especulação?
A principal atividade de uma empresa, que deveria ser a de produzir, foi substituída pela jogatina nas bolsas, tendo como estimulador o próprio governo, que utiliza para isso recursos do BNDES, das estatais e seus fundos de pensão. Valores que poderiam ser utilizados para alavancar o desenvolvimento econômico, para gerar riquezas efetivas.
É óbvio que um sistema econômico, fincado em areia movediça, a qualquer momento pode afundar. Conforme estamos sentindo na própria pele.
As nossas reservas cambiais estão cada vez mais reduzidas, tendo como uma das principais causa o fato de estarmos comprando produtos do exterior (importando) muito mais do que vendendo (exportando), para liquidar os nossos débitos o governo toma dinheiro emprestado dos especuladores estrangeiros, mediante o pagamento de juros exorbitantes.
Cada vez mais papéis podres são emitidos, sob os mais variados títulos (precatórios, papéis de renda fixa, etc.). Desse modo, a exemplo do que acontece com a dívida interna, a dívida externa também só tem aumentado. Só que, obviamente, esses especuladores, tanto os daqui quanto os de fora, não vão ficar com esses papéis podres nas mãos eternamente, e, como eles têm papéis suficiente para manipular e manobrar o sistema financeiro de todo o mundo, forçam uma situação na qual os devedores têm que pagar, de qualquer maneira, nem que seja com o sangue, suor e lágrimas do povo. Daí o “saco de maldades” do presidente FHC, divulgado em 10.11.97, para sinalizar aos credores que o governo não se desviará da rota traçada.
Dentre as medidas de ajuste propostas nesse pacotaço, destaco como uma das mais covardes, do meu ponto de vista: a suspensão, por três meses, da concessão de benefícios para deficientes físicos e idosos com mais de 70 anos. Um autêntico atentado à vida. Só um governante perverso, sem sentimento, sem Deus, poderia propor uma medida tão covarde como essa. Felizmente, porém, pelo menos essa, de tão imoral que era, foi rejeitada pelo Congresso.
Igual sorte não teve a medida relativa à demissão de 33 mil funcionários públicos. Ora, que culpa tem esses servidores se o governo optou por executar uma política suicida? Se, por exemplo, preferiu utilizar os recursos do BNDES para patrocinar as privatizações e promover a jogatina nas bolsas? Por que não utilizou os recursos disponíveis para promover o crescimento real do país? Segurar a inflação arrochando o povo para não ter renda, ao invés de promover o aumento da produção, é fácil para os covardes e imorais a serviço do capitalismo selvagem. 
Conforme manifestação do Brizola, ex-governador do Rio de Janeiro, referindo-se a FHC e a camarilha que está no poder: “São insuperáveis em matéria de maldade, por perseguirem os mais indefesos.”
Quando FHC diz que seu pacotaço não atingiu as camadas menos favorecidas, faltou com a verdade. Não precisa ser economista nem sociólogo para perceber que qualquer medida que atinge os trabalhadores e a classe média tem efeitos multiplicadores na economia, QUE AFETAM DRASTICAMENTE A ESTRUTURA SOCIAL DO PAÍS.
Não tenho dúvidas de que FHC, como todos os seus antecessores neoliberais, a diferença é que ele acelera o processo, está promovendo um nivelamento, por baixo, das condições de vida do povo. Ou será das condições de morte?
Com a queda da classe média, há uma disputa mais acirrada na base, na luta pela sobrevivência. Com isso muitos são excluídos do processo. É a empregada doméstica que já não consegue mais emprego (eu já dispensei a minha há muito tempo), é o trabalhador que é demitido, da lojinha da esquina, que cerra as suas portas, etc. Resultado: mais fome, mais miséria, mais violência... 
A ONU revelou, em seu relatório anual de 1997, sobre o Desenvolvimento Humano: “a globalização tem aumentado a distância entre ricos e pobres.” É cada vez maior o número de pessoas que sobrevivem abaixo da linha de pobreza (o equivalente a um dólar por dia). Atualmente, na América Latina, mais de 24% está nessa situação.
Em contrapartida, porém, refletindo insensibilidade, os países ricos vêm diminuindo o valor de suas doações aos mais pobres. Em 1996, essa redução foi de US$ 3,8 bilhões.
O que precisa ser percebido pelos trabalhadores e pelos povos, em geral, é que O ESTRAGO DE UM PAÍS, numa economia globalizada, AFETA A TODOS. Menos, é óbvio, aos megaempresários, principalmente do sistema financeiro. Pois, é evidente o processo de transferência de renda da humanidade para esses gângsteres. Somos vítimas desse processo de deterioração da economia, caracterizado pela valorização artificial da moeda (títulos, ações, papéis de renda fixa, etc.), que gera, como consequência, a deterioração da vida.
Nos países mais ricos os efeitos são menores, nem por isso menos devastadores, em longo prazo.
Não tenho dúvidas de que estamos vivenciando uma neoguerra, forjada pelo império do mal. Somos assaltados, saqueados, espoliados. Nessa guerra eles não gastam uma bala sequer. Não precisa. Basta impor uma situação na qual as pessoas destruam-se umas às outras, na luta pela sobrevivência.
Não vejo diferença entre o HOLOCAUSTO, a que foram submetidos milhares de judeus, por ocasião da Segunda Guerra Mundial, e o SACRIFÍCIO que tem sido imposto a milhões de famintos, condenados à morte por inanição. Portanto, em que se julgam melhores que Hitler os governantes da era global, disseminadores da miséria e da fome? Do meu ponto de vista, são iguais.

__________________________________
Nota: Os fatos narrados deixam claro que a política econômica e social estão inter-relacionadas.
Sou uma vítima da covardia imposta pela política econômica e social do FHC aos trabalhadores. Confira aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário